Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Caracol

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Coisas giras que ouvi nesta vida

Estou sem tema para escrever (mentira, é só uma desculpa foleira para vos presentear com isto), portanto fiz um esforço de memória, abri o caderno "Ler em dias maus para rir um pouquinho" e recortei algumas das coisas mais giras e engraçadas ouvi ao longo destes meus trinta anos de existência. Grande parte foi pronunciada nesta última década o que prova a velha teoria de que de facto os vinte podem efectivamente ser gloriosos. 

Preparados? 

Casaste muito nova e decidiste logo à primeira... Devias ter experimentado mais... Digo eu, atenção. Tu é que sabes. "

Ora aí está uma conclusão brilhante: eu é que sei. E ele também, neste caso, uma vez que não casei sozinha. E já agora... Devia ter experimentado mais o quê? Sabores de gelado? Marcas de automóveis? Experiências radicais? Maratonas e iron's mens? Comida vegetariana? Enigmas é o que vos digo, só enigmas. 

Não me lembro do que respondi na altura, mas deve ter sido o costume: sorrir e acenar. 

Foda-se, a sua vida é uma merda! Nunca lhe apeteceu dizer isto?

Esta é hi-la-ri-an-te! Sobretudo se tivermos em conta o contexto: foi proferida por um psicólogo, logo no começo de uma consulta. A isto é que eu chamo uma entrada em grande! Cá agora anamneses e historial do paciente, temos de ser práticos e assertivos: o que é que a traz por cá? Assim mesmo à merceeiro de aldeia que lança o pregão habitual "Então D. Gertrudes, que vai ser hoje? Olhe, tenho ali uns espinafres que são um mimo e uns biscoitos Paupério que vão fazer as delicias dos gaiatos."  Quanto aos palavrões... Bom, nunca fizeram mal a ninguém e uma bom foda-se no momento certo consegue ser bastante libertador. Por exemplo, naquele momento, libertou toda uma torrente de lágrimas que enxuguei em dois maços de lenços de papel. Quando o pranto terminou, sorri e abandonei o gabinete para não mais voltar. Aquele sôtor tinha uma fila muito grande à espera e não queria ser inoportuna estragando-lhe o dia com infortúnios da minha vidinha absolutamente comum e banal. 

Só gostas de Saramago porque queres parecer inteligente.

Ah, a inveja de não gostar do que não se percebe. Adoro! É mais uma das tiradas que provavelmente me fez elevar os cantos da boca num sorriso, sem uma resposta à altura de um tão poderoso argumento. O irónico é que a pessoa deve ter achado que lhe dei razão quando na verdade a estava mandar abaixo de Braga, ali em baixo mesmo ao pé do sítio onde Judas perdeu as botas, estão a ver? Lá está: a inteligência não se mede com palavras. Uma pena que a maioria das pessoas ainda não percebido isso. 

O texto já vai longo e rico em parvoeira, mas deixem-me só deixar-vos a minha favorita de todos os tempos: 

Ficaste bem na vida depois dos teus pais falecerem. 

TAU! Caramba, qu'isto é que é sabedoria, hã? Admiro este pessoal que sabe falar e acerta mesmo no alvo. E estão carregados de razão. É verdade sim senhora, fiquei bem melhor com duas perdas tão grandes aos vinte e poucos anos e no espaço de pouco mais de vinte e quatro meses. É, aliás, uma experiência que recomendo vivamente. Só acho que efeito de nirvana e paraíso é potenciado e aumentado se forem os dois ao mesmo tempo. Aí meus caros é praticamente o EuroMilhões. Vão passar os dias a beber água de côco e banhar-se em água cristalina enquanto decidem se vão nadar com tubarões tigre ou ver os recifes de coral. Fazer-se à vida e trabalhar é só para quem os perde à vez. É chato mas é a vida. 

Como respondi na altura? Como sempre respondo quando os argumentos me deixam muda de estupefacção: com um sorriso e com um aceno. 

Não escrevi isto para me lamuriar - acho que perceberam isso - foi mesmo só para não me esquecer que o melhor remédio ainda é rir. E vá, pronto, porque não gosto de guardar diversão só para mim. 

Caracoladas

No dia dos namorados fiz um bolinho de manhã, antes de vir para o trabalho (sim eu faço coisas antes de vir trabalhar, não perguntem muito, ok? 🙄), nada muito elaborado apenas um bolo de chocolate de dois ingredientes e como de costume o rapaz pediu-me para rapar a taça. Disse-lhe que sim e quando dou conta tem a cabeça enfiada lá dentro com o chocolate a deixar um rasto quase até às orelhas. 
Mudei de estratégia e disse-lhe:

- Olha filho, vamos fazer antes o seguinte: rapamos parte desse chocolate para a tua caneca do leite e hoje tens leitinho de aveia com chocolate. Que me dizes?

Ficou todo contente e lá metemos o salazar ao barulho. 
Ele ficou a beber o seu leite com chocolate especial, feliz da vida, enquanto eu fui buscar a roupa lavada à lavandaria. Quando chego deparo-me com o este cenário:

Miúdo em pé numa cadeira em frente ao balcão a despejar o leite da caneca para a taça.

Quando lhe pergunto que raio está a fazer responde com a sapiciência dos seus quatro anos:

- Ainda tinha aqui muito chocolate, mamã. Assim não há tanto desperdício porque há meninos que não têm.

Pumbas! 1-0 à cara podre sem dó nem piedade. Recompus-me rapidamente e continuei:

- E depois como tencionas beber isso? Ainda vais fazer asneiras...

... E levar por cima, tive vontade de acrescentar. Levei como resposta:

- Com uma palhinha.

Posso jurar que ouvi o "Dahhhhh" nas entrelinhas.

Caracolinho 2 
Mamã 0

O Amor

Antes dos filhos:

- Banho em sais minerais do oriente e óleo de argão vindo diretamente de Marrocos. Nem um pêlo à vista e a água desliza pela pele como se tivéssemos uma capa hidrofoba patenteada pela Zeiss.

- Música romântica de fundo, média luz, pétalas de rosa nos lençóis, duas flutes de espumante e um prato de morangos em cima da mesa de cabeceira.

- Sabe Deus quando acaba. A madrugada é o limite.

Depois dos filhos:

- Duche à pressa com gel de banho do Catraio porque o nosso acabou e não lembramos de comprar outro. O único óleo lá por casa agora é o de bebé e a lâmina percorre as pernas às cegas criando auto-estradas no meio da selva de pelugem Pernal.

- Como é que se chamava aquela música? Oh, deixa lá fica mesmo na RoseBonbon que até tem nome romântico e o que conta é a intenção. Migalhas, brinquedos pequenos (ou pior: peças de Lego) no meio dos lençóis, mas amor precisa de emoção, não é verdade? "Que barulho é este? Levantou-se! Tapa-te!" Na mesa de cabeceira habitam duas coisas: fraldas e toalhitas no caso dos bebés pequenos ou toalhitas e brinquedos no caso de mais graúdos.

- O próximo choro ou chamamento é o limite.

Há quem lhes chame o melhor do mundo, eu acho que empata-loves também era bonito.

Frases de Engate

São 18h do dia de S. Valentim e já muitos homens deste mundo marcaram como seu território as melhores mesas dos restaurante, outros tantos desesperam oferecem a esta hora partes do fígado no mercado negro para conseguir uma mesa ao pé da janela panorâmica sobre a A42 e uma décima parte está já a pensar no que vai despir, perdão, vestir. 
Depois há ainda aqueles que ainda tentam não passar a noite sozinhos e andar por aí às voltas no Tinder, quando na verdade deviam usar armas antigas e que nunca passam de moda: as frases de engate. Para vos ajudar - e porque não é fácil avançar logo assim ró qu'interessa - venho dar uma mãozinha e ensinar-vos a tirar partido da vossa profissão em proveito de uma noite a dois. Estão sujeitos a umas estaladas, mas ei!, viver é um risco e mais vale duas palavras na mão que um livro a voar. 
Na temam, A Caracol chegou e vem em vosso auxílio. Segurem-se, o nível é capaz de descer.

Cozinheiro

Esqueçam o testo da panela. O que vai evitar que a vossa noite seja um esparguete de courgette - que é como quem diz "um engano d'alma" - é o seguinte argumento:

"Posso ser azeite ev se fores a cebola do meu estrugido".

Não é garantido que resulte, mas não se podem queixar de falta de bons ingredientes para uma chapada emocionante.

Nutricionista

Vá, deixem lá as calorias sossegadas uma vez na vida, o que vos vai garantir o aumento da glicémia é o seguinte chavão:

"Se fores o meu topping, eu aceito ser a tua panqueca."

É garantido que não vão passar a noite a ver as promoções da Prozis e até a aveia vai ter um sabor especial.

Técnico de Óptica Ocular

Nem pensem em utilizar as ametropias dos clientes a vosso favor. Usem a cabeça e mostrem eficácia e profissionalismo. Por exemplo:

"És a mola que faz saltar o meu parafuso."

Ou ainda o clássico

"O teu bisel encaixa perfeitamente na minha armação."

Não convém é dizer isto a um colega de profissão... Já se sabe que o humor só tem cilindros negativos.

Bancário

Há lá classe como mais potencial do que os trabalhadores na banca? Esqueçam as notas, o truque está na conversa fiada:

"Quero ser o teu PIN secreto e acabar de vez com o ano do teu nascimento."

Bo-ni-to.

Compincha de ginásio

Nope, não são os agachamentos (mas podiam ser).

"Posso ser o colchão para a tua prancha?"

ou elevando o nível para um fitónerd

"Conheces a teoria da terra plana? O teu glúteo tem tudo para a deitar por terra.."

Obviamente em qualquer das duas arriscam-se a levar com um halter de 15kg no mindinho do pé, ou pior, passar a noite a ver vídeos de desastres fit, mas já que arriscam a vida a pôr lá os pezinhos...

Contabilista

Não é fácil esta. Até porque números só atraem algumas mulheres se forem compostos por vários zeros e algumas vírgulas, mas vamos tentar:

"Se a AT te descobre ainda te inventam uma sobretaxa para a beleza"

Hã? Quem é miga? Ospois contem aqui à Caracol quantas cicatrizes de guerra vos valeu este dia. Ou então se arranjaram mesmo um amor para a vida toda. 

Esperança

O sol desponta no horizonte iluminando a cozinha. Entorpecida por uma noite mal dormida, Esperança prepara um café forte na expectativa de a libertar da rigidez muscular e lhe trazer alguma energia para enfrentar mais um dia.
Só mais um dia, pensa para si, amanhã tudo será diferente.
A caneca de café aquece-lhe as mãos geladas e inchadas de frieiras. O inverno é duro para as mãos de quem faz da lida de casa o emprego de uma vida.
Não fora assim que idealizara a sua vida, não planejada nada disto e todos os tiros lhe saíram ao lado.
Abanou a cabeça e sorriu ao pensar nos filhos que ainda dormiam nas suas camas. Eram o melhor de si e por eles valera a sua pontaria pouco certeira nos alvos da vida.
Quanto teriam ouvido da noite passada? Teriam conseguido abstrair-se do ruído quase mudo do seu choro? Ou teriam embrulhado o medo mais fundo nos cobertores, abrançando-se em silêncio e desejando que o sono lhes dominasse a consciência?
Rezava para que a madrugada alta estivesse do seu lado e permitisse que o eco de um corpo espancado ficasse somente naquelas quatro paredes.
O sol continuou a sua subida lenta no céu, como se até a ele custasse recomeçar mais uma vez.
Resignada, Esperança respirou fundo e sentiu as equimoses do tórax. Não precisava de as ver, os anos tinham-se encarregado de lhe ensinar as várias fases da dor e aquela era apenas a segunda, a pior já tinha passado por alturas da madrugada.
Com um suspiro, terminou o café de um trago e dirigiu-se lentamente à casa de banho para se compor.
A noite difícil estava gravada a ferros na sua passada. Nada que um analgésico não resolvesse mais tarde. Naquele momento, não tinha tempo para tratar do corpo, era hora de manter a esperança no nascer do sol e no recomeço de um novo dia.
No seu íntimo, bem lá no interior da alma onde se escondem os segredos e pensamentos mais sombrios, Esperança questionou-se sobre quantos mais amanheceres lhe restariam, longe de imaginar que aquele seria o último.

---------------

10 Esperanças viram em 2019 - que ainda vai curto - o seu último amanhecer. Quantas mais serão precisas para que se perca de vez esperança no mundo?

Dia Internacional do Riso

Hoje, ao invés de (tentar) fazer rir, quero saber: o que vos faz rir? 

Sou pessoa de riso fácil e faço-o (quase) por tudo e por nada. No entanto, para mim, torna-se mais fácil rir da desgraça, do negro, do dia mau, da dor que incomoda, do exame que cria ansiedade ou até da morte. Vejo no riso o ansiolítico fácil de engolir e a gargalhada ainda é o meu melhor ibuprofeno

Aquela corrida é muito dura? Duas ou três graçolas atenuam mais as dores nas pernas do que o voltaren e tornam mais plana a mais íngreme das subidas (só é válido depois. Durante só queremos mesmo falecer)

Acordaste de mal com a vida, com os dois pés de fora e está um frio que te gela o tutano? Ainda não viste o teu cabelo... Quando te vires ao espelho vais perceber e soltar uma gargalhada pelo terrível aspecto de quem alberga um ninho de toupeiras endiabradas no couro cabeludo. 

O tendão de Aquiles inflama, fazes asneira na tentativa de tratamento e acabas com dois pés inutilizados? Ri-te e escreve-lhe meia dúzia de cartas, lembrando-te que podia sempre pior e teres que amputar os dois pés. Ou na volta isso até era a solução ideal. 

A morte bateu à porta e levou alguém querido? Sorri ao relembrares o quão felizes foram juntos - não vai eliminar a dor, mas vai torná-la mais suportável. 

Ri daquela borbulha no nariz que o disforma ou das calças que rasgaram quando te baixaste para apanhar o último euro que fugiu da carteira. 

O riso desvaloriza a dor sem a ignorar nem menosprezar. 

Se me aliciarem com propostas milionárias de sucesso onde apenas tenha que deixar de ser parva... Não quero, obrigada. Quero poder continuar a rir da minha azelhice diária, das pouca habilidade com que fui abençoada e do negro dos meus dias. 

Porque enquanto eu souber e conseguir rir do que me enfraquece, vou ter força para me tornar mais forte. 

Esta viagem é só de ida, se tornarmos caminho divertido o fim será menos agoniante.

 

Carta de um tendão zangado

Não tens noção do quanto me magoas quando me ignoras. 
Sou forte - o mais forte, dizem - aguento com toda a carga que me queiras aplicar, mas não me ignores. 
Não finjas que não sentes, não me tornes invisível e insensível. Isso magoa e mói muito mais do que uma má postura ou do que um sapato mais apertado. 
Vou ser sempre o mau da fita para ti, o que te impediu de fazer o que gostavas, o que te limitou a liberdade de seguir em frente num curto espaço de tempo. Vou ser sempre o lobo mau da nossa história, mas não me importo, desde que aprendas a não ignorar quando chamo por ti. 
Sentiste-me ontem? Chamei por ti. Não gritei como das outras vezes que te esqueceste de mim com negligência. Sussurrei baixinho:" Ei! Estou aqui. Faz qualquer coisa." Não te faças de desentendida, sei bem que me ouviste. Senti a tua mão a meio da noite, num gesto tímido para verificar se ainda estava contigo. Senti no teu íntimo que ainda não me esqueceste de vez e que ainda te preocupas comigo. 
Dizem que tudo fica diferente quando acordamos e que uma boa noite cura quase tudo. 
Acordamos juntos para mais um dia, mas por favor, peço-te com cada fibra que me compõe: não me ignores e trata-me com o respeito que mereço. 
Sempre teu,

Aquiles

Conversas com o meu Cérebro

Acho que já vou poder correr logo à noite!

Vais, então não vais coração...

Oh, não sejas assim. Já não dói, já movimento bem o pé em todas as direções, já caminho sem mancar há mais de uma semana...

Já estás nova, não é?

Exato.

#SóQueNão filha. P´lamor de deus, tu quase não caminhaste um par de semanas, andaste aí a ganir como se te estivessem permanentemente a pontapear os calcanhares com biqueiras d’aço…

Ah, não foi bem assim...

...E queres ires já correr? Estás a tentar aniquilar os tendões de vez?

Tens razão. É melhor não.

Linda menina.

Mas se calhar devagarinho até já nem faz assiiiiiiimmmmm tanto estrago. E levo as palmilhas, óbvio. E vou no ritmo extra lento.

Vai. Manda-te. Não te esqueças e guardar mais uns trocos para tratamentos extra de fisioterapia.

Tens razão. É melhor não. Para a semana já devo poder voltar com tudo….

Sim, sim…

Até lá se calhar já posso regressar ao cycle! É de baixo impacto e prometo fazer o movimento direitinho. Se calhar….

Se calhar já ganhavas era juízo!

Caramba. Sempre do contra.

Não sei como não te lembraste do JUMP, já que estás numa de loucura….

Achas?! JUMP?! Tão cedo não me meto noutra… Mas o HIIT na segunda-feira… Até nem era mal pensado. Já não dói nada e ainda ontem desci as escadas a correr, sem querer.

Queres que te traduza HIIT ou chegas lá sozinha?

Pode ser que não se salte...

É. E pode ser que não morras a cada intervalo de 30 segundos. Francamente, tu és mesmo bicho de memória curta, não és?

Oh, fogo! Não posso fazer nada! Caramba, inválida aos 30 onde é que já se viu?!

Deixa-te de ser assim. Podes fazer imensa coisa: braços, tronco….

…Costas e abdominal. Já sei. E nem sequer isso tenho conseguido fazer. Bah!

Vais logo à noite e fazes.

Hmmm. Bem pensado. Mas primeiro vou perguntar da corrida. E do cycle. E do HIIT.

DEMITO-ME! Com efeito imediato! Arranja outro cérebro qu’eu vou-m’embora! Estou farto disto! Nunca me ouves.

Chiça! Que mau feitio. Pronto, está bem. Eu vou e faço só o que me deixam. Secaaaaaaaaaaaaaaa.

Leva água.

Engraçadinho.

 

FitFinição

Um dia, a meio de uma campanha fitóeleitoral, pediram-me ajuda para um projeto.

E foi tão bom, tão desafiante! O efeito final ficou tão bonito, tão inspirador, tão humano, que eu achei que não devia ficar só por ali... Gamei a ideia e usei-a em meu proveito.
E porque não? 
Porque não podem aquelas pessoas que nos inspiram todos os dias a ser melhores ter uns minutos de audiência para falar de si? 
Porque não? 
Tenho para mim que toda a gente tem histórias para contar e aventuras para partilhar. Uns poderão ter mais jeito do que outros para o fazer, mas no geral todos nós somos, em certa medida, inspiradores para outros. 
No meu caso particular, a inspiração vem muitas vezes do fitness. Ou retificando: das pessoas com quem partilho exercício físico. 
E tantas, mas tantas!, vezes nos esquecemos que são como nós, que têm uma vida lá fora e apesar de viverem do exercício não é ele que os define. 
Por outro lado, também há quem nos motive a melhorar pela resiliência e persistência com que encaram cada desafio proposto, por muito que doa, por muito ar que falte, por muita ressaca que tenham no dia seguinte. 
É assim que nasce o FitFinição*. 
Um espaço de desconstrução de personagens onde os professores deixam de o ser para serem apenas o Nuno, o Pedro, o Joaquim ou o Manuel. Onde os alunos deixam as sapatilhas no saco e deixam-se desafiar pelo que já foram, o que são e o que querem ser. 
O FitFinição é sobre pessoas que têm em comum o gosto pelo desporto. E não pelo desporto que tem em comum pessoas.

Começou hoje, com o Nuno a fazer as honras e abrir o espaço. 

Ensina fitness há 4 anos e é um apaixonado pelo que faz, pelas pessoas e pelo mundo. 

Podem ver aqui e já agora, fazendo o obséquio, podem passar a subscrever o canal acabadinho de abrir no youtube. Nada pedinchona. Absolutamente nada. 

Ah! E não se esqueçam de dar a vossa opinião! Mui grata. :D

 

Querido 2019,

Anda devagarinho, não sejas apressado, a malta tem tempo e passa a vida a fazê-lo correr mais depressa numa vida vivida entre rotinas e esticares de ponteiros. Não me tragas o Carnaval tão cedo e livra-te de me dizeres que tarda nada estamos todos no Natal outra vez. Levas logo com meia rabanada recessa na ventas só para aprenderes que não se brinca com o tempo. 

Por falar em brincar, relembra-me que o humor não tem limites e dá um cachaço ou meia engasgadela com uma passa a quem ainda acha que sim apenas porque não se identifica com alguma espécie de humor. A quem ainda confunde humor com opinião, ignora e dá-me paciência para ignorar também  - sobretudo quando me apetecer comentar  com os dedos a ferver de mau humor. 

Ajuda-me a ver sempre o lado positivo e a ser mais optimista. A vida já é dramática o suficiente e uma queda é só uma queda não é propriamente a extinção de uma espécie. 

Vai-me relembrando dos aniversários ao longo do ano, mas por favor não te esqueças de me lembrar também fora deles - os amigos não são só importantes em datas especiais. 

Traz-me aqueles fins de semana pacatos, com boa companhia, melhor conversa e muitas gargalhadas - lembra-me para não me esquecer de os programar. 

Ajuda-me a ser melhor pessoa e a utilizar melhor o meu tempo entre tantos afazeres diários. 

Sê tão inspirador para parvoíce como o 2018 e continua a ajudar-me nesta coisa quase nobre de fazer rir meia dúzia de boas almas, onde egoistamente me incluo.

Acima de tudo, mantem-me presente no espírito que tudo aquilo que pedi depende apenas de mim e não de ti.  

Que sejas um excelente ano e que consiga acompanhar-te nos próximos 12 meses (de preferência sem mancar e sem outras lesões de maior).

Um bom ano para todos os que por cá passam diariamente, só de vez em quando ou quase nunca. É melhorar isso também. ;P