Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Caracol

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Desafio - Uma paixão chamada livros #23

Considerando que o primeiro livro da tua estante é a letra A, o segundo a letra B e por ai adiante, tira o livro correspondente à primeira letra do teu nome. Depois abre na página correspondente à soma do mês e dia em que nasceste. Qual é o quarto parágrafo?

"Não estava, meu caro capitão. Não estava."

Anjo Branco, José Rodrigues dos Santos

Só eu.. #7

Vamos aparvalhar?

Acho que a malta está a precisar de descomprimir e desanuviar.

Toca a colocar os cintos, desta vez vez cabem cinco, que a aventura de hoje é com o meu eterno e querido Renault Clio Herdado (sim, gosto de nomes pomposos para as viaturas, e depois?).

Mas, antes, vamos só passar ali nas bombas, que tenho o depósito na reserva.

Sou pessoa fiel aos estabelecimentos, coloco sempre gasolina no mesmo posto, o da minha área de residência.

Naquele dia, não excepção, só não contava que me trocassem as voltas.

Uma pessoa sai da viatura, marca o valor a abastecer, pega na mangueira e espera.

E espera.

E espera mais um bocadinho.

E bufa.

E porra que isto nunca mais acaba, só pedi 20€ senhores, não quero que me entupam o depósito de gasolina!

Nisto, a pessoa, olha para o visor, percebe que aquela treta não está a contar, está ali parado nos 0.00 litros e repara num bonito e singelo aviso "Esta bomba encontra-se em pré-pagamento. Obrigada pela compreensão."

Ora bolas!

Vá de ir efetuar o pagamento e entrar na viatura que se faz tarde.

Liga a ignição, percorre meia dúzia de metros, olha para para o mostrador de combustível e solta um impropério:

- Foda-se! A gasolina não rende mesmo nada! Vinte euros e o ponteiro nem mexeu...

E é aí pessoas, só aí, que se faz luz:

- Ai! Não acredito! Eu não meti gasolina!

Portanto, paguei e zarpei sem o combustível.

Esperta, hã?

 

Memórias

Hoje, em conversa com a Vânia, calhou um tema que me é especialmente, como dizer, dificil, talvez, mas mesmo assim não é a palavra correta.

Abateu-se sobre mim uma certa nostalgia, uma saudade imensa que por vezes invade sem pedir licença.

Apeteceu-me recordar, vasculhar nos confins da memória, ir ao fundo só arquivo deste blogue e relançar este texto, que - modestia muito à parte - considero dos melhores que escrevi.

Para vós, que hoje me acompanham neste cantinho, uma parte de mim, escrita com o coração, bem lá do fundo da alma.

Conto pelos dedos das mãos, mas se o total é mais que dez...

Tenho que tirar os sapatos e usar os dedos dos pés.

Bonito? É da Maria Vasconcelos e aposto que o mecânico, que colocou calços nas rodas da viatura na semana passada, pensou isto quando chegou a altura de lhe pagar. Ora atentem:

M: - São 70€.

C: Toma. Deixa ficar assim. - frisei entregando as notas.

M: Mas são 70€. - referiu ajustando as notas em leque.

C: Eu sei, mas deixa ficar assim.

M:

Entretanto, enquanto prendia o miúdo na cadeirinha:

M: Mas, olha Caracol: 20 com 20, 40, com 20, 60. - explicou enquanto ia recontando a cheta.

C:  Ai, tu desculpa que pensei que tinha entregue 80€..

Estão a ver a minha figura, não estão?

Razão tem a Maria, é o que vos digo.

 

Há dias que uma pessoa de manhã e à tarde não pode sair à noite

Ontem foi um desses dias.

Trabalhei que me fartei. Chego a casa e o Mário está com a telha, dou-lhe o desconto por ser semana de readaptação à creche. Deitei-o muito mais cedo do que o habitual.

O jantar, apesar e ótimo, estava frio, o que não me reconfortou o estômago.

Depois de tratar das tarefas domésticas, enfio-me na casa de banho, ansiando por um banho reconfortante e relaxante. Além de quase se me acabar o gás, que bem senti a água a esfriar ali para o final, não tinha champô!

Champô, pessoas! O frasco estava lá, sim senhora, ma vazio! Nem uma gotinha para lavar a juba e disfarçar a coisa. Ora, o que é que uma pessoa faz? Rouba champô ao homem, pois claro! Enxagua muito bem o cabelo, numa tentativa vã de eliminar o odor masculino, fecha os olhos ao secador, enfia-se no pijama polar e nuns carapins e vai ver o OJ, aquela série nova que prometia ser maningue nice.

O OJ? Não faço mínima ideia. Adormeci assim que assentei no colchão.

O cabelo? Está uma merda porque tive preguiça de o secar, não cheira a homem, mas cheira a mofo.

Não pode piorar? Pode, entrei naquela semana do mês.

 

 

 

Atão?!

Uma pessoa esfalfa-se, sua em bica e escreve uma prosa séria, sobre um tema da atualidade e nem um comentáriozinho?!

Se vos dissesse que uma vez tive um acidente, em que fui culpada, chamei a bófia e só depois reparei que não tinha inspeção na viatura, aposto que já teríeis que dizer, não é?

Mui amigos vós, mui amigos.

Desafio - Uma Paixão Chamada Livros # 22

Melhor Ciatação (Descrição)

 

"A vida foge-nos, escapasse-nos como água entre os dedos. Morremos a cada respiração, a cada palavra, a cada olhar, momento a momento encurta-se a distância que nos separa do nosso fim, nascemos e já estamos condenados à morte. A vida é breve, não passa de um instante fugaz de um brilho efémero nas trevas da eternidade”

José Rodrigues dos Santos, em A Filha do Capitão.