Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Caracol

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Conversas de balcão #5

No supermercado, enquanto aguardava que me entregassem o carapau amanhado, observo alguns compinchas tentando escapulir-se pela rede que os segura.

Penso cá com os meus botões: "Olha, aqueles grandes são tal e qual os do meu jardim. Nheca."

 

- Quer um saquinho deles menina?

- Não, obrigada. Para a Caracol já basto eu.

 

Ainda intrigada com o mexericar dos bichos, fiz notar:

 

- Olhe, estão a mexer-se...

- Pois estão. Então, se estão vivos mexem-se!

 

Caiu-se-me tudo. Fiquei com os olhos vidrados, qual boneco animado japonês e gaguejei:

 

- Mas... Mas... Vocês vende-nos vivos?

- Não podemos vendê-los de outra maneira, menina.

- E depois? Vão assim para a panela? Vivos?

- Vão pois!

- O PAN sabe?

- Quem?

- O Partido dos Animais e da Natureza.

- Deve saber, mas não deve gostar... Aqui tem o seu carapau.

 

Pego no meu peixe, lanço um último olhar aos caracóis e resisto à vontade de os comprar só para os libertar no quintal. Pobres bichinhos. Não se faz.

Perdida nestes pensamentos, avisto um pedaço de mau caminho aproximar-se da banca, assobiando enquanto exclama:

- Eh lá! Que belo petisco! Também leva?

Mordo a língua, seguro as mãos firmemente no carrinho para não sortear uma lambadas e afirmo enquanto o fuzilo com os olhos:

- Prefiro peixe.

Há dias que de facto uma pessoa de manhã e à tarde não pode sair à noite.

 

Mães (Im)Perfeitas - A Nay

Sexta é dia de conversa entre mamãs e hoje veio cá a Nay (estive em casa dela na segunda, é favor lá darem uma saltada).

Sou "Nay", mãe de um ser perfeito, pelo menos aos meus olhos, que é a Miss.Moony.
Sempre disse que não queria outro filho porque acho que esgotei a minha sorte à primeira e a verdade é que não estou nada arrependida! 
Então diz-nos cá Nay, que tens aprendido nisto da maternidade?
 
Tanta coisa... Mas acima de tudo aprendi o que é amor incondicional, aquele amor sempre e para sempre.
Aprendi que a minha mãe tinha razão ao dizer que depois ia ver quando tivesse os meus filhos :D
Aprendi que realmente "estamos sempre a aprender", eles têm tanto para nos ensinar!
 
Como esperas que a tua filha te recorde daqui a uns anos?
 
Com amor claro...ahahah
Agora a sério, quero que me recorde como alguém que tentou sempre fazer o melhor...posso não ter conseguido algumas vezes mas tentei.
 
E as birras Nay? Continuam? Nem por isso? Como reages quando elas surgem (ou surgiam)? Não nos escondas nada.
 
Neste momento as "birras" traduzem-se em "já vou", "depois faço"....
Resolvo como sempre resolvi...1...2.... :D
 
Acho que vou começar a adotar esse  método. O problema é o puto achar que é contagem para brincadeira... Elucida-nos, ou tenta vá, como é ser mãe de uma adolescente?
 
Por enquanto não está mal mas até tenho medo de agoirar.
Não temos tido grandes conflitos e quando aparecem resolvo como sempre o fiz quando era pequena, com diálogo.
Enquanto os outros pais falavam com os filhos com cutxi-cu e gugu-dada, nós dizíamos "é assim porque...", " se fizeres isso pode acontecer..."
Lá nisso tenho de dar créditos ao meu homem que sempre fez questão que assim fosse e não correu mal.
 
Tento fazer isso e a verdade é que mesmo com 18 meses parece que percebe, raça do miúdo. Nós, as mães, fixamos tu-do. Há algum momento que tenha marcado mais?
 
Opah tantos...
Houve um quando ela tinha cerca de 3/4 anos, ela nunca suportou que eu estivesse zangada com ela, e numa noite em que já não me lembro porquê, estava chateada com ela quando a fui deitar à noite.
Ela pediu desculpa mas como estava mesmo muito chateada, disse-lhe que amanhã falávamos. Dei-lhe um beijinho, apaguei a luz e fui para a sala, nisto quando me volto estava ela atrás de mim e juntou aos mãozinhas uma à outra, desata a chorar baba e ranho e a dizer "oh mãe por favor perdoa-me"... 
Não sabia se havia de rir ou chorar, tive tanta pena da minha pulguita!!!
Mais recente, no ano passado, quando estava a ser vitima de bullying e um dia quando a fui pôr à escola me disse, com lágrima nos olhos "oh mãe não quero ir".
O que tu fazes nessa situação?!?! Ficas com o coração pequenino de tanta dor e aquela carinha gravada na minha mente para sempre!
 
Bolas... É difícil pensar nisso, confesso.
Sendo a tua filha mais autónoma tens a gestão do tempo facilitada ou nem por isso?
 
Ainda não é bem autónoma, mea culpa que não resisto em facilitar-lhe a vida sempre que posso.
Mas é totalmente diferente de quando são pequenos, já conseguimos ter algum "me time".
 
Que conselho darias a futuros pais e a pais com miúdos prestes a entrar na adolescência?
"tamo junto" :D
Olha, encham-se de paciência recordem-se que já lá estiveram... depois... tudo passa, até as fases menos boas!
Coragem!
 
Para terminar, peço-te que definas a maternidade numa só palavra e expliques a tua escolha.
Xiii...
Infinidade. 
É um amor infinito, uma aprendizagem constante... é uma infinidade de coisas boas!
 
Lá isso é Nay, acho que todas concordamos contigo. Mesmo nos maus dias.
 
Muito obrigada por cá teres passado - apesar de toda aquela confusão de conversas - foi um prazer conhecer este teu lado, tal como a tua filha! 

E é isto

Passei a manhã a cantarolar:

 

Pássaros do sul

Bando de asas soltas

Trazem melodias

P'ra cantar às moças

Em noites de romaria

 

Até o meu colega comentou a escolha para o trautear matinal.

 

- A culpa é da Magda.

 

Excusado será dizer que não faz pevas de ideia sobre quem é a Magda, pelo que recebi como resposta um olhar interrogativo e um encolher de ombros como quem "não vale a pena. Pirou de vez."

Mário report

E eis que o Caracolinho chega aos 18 meses. Aquela idade espetacular, altamente desgastante, com descobertas constantes a um ritmo alucinante. O puto parece uma esponja, num dia faz uma coisa, no dia seguinte já lhe junta outra habilidade, depois outra e mais outra... Só lhe falta mesmo falar, ainda só diz mamã, papá, cão e olá. Se não me enganar, será uma gralha de tanto palrar que se ouve. Não faço ideia a quem sairá...

 

Assim, aos 18 meses, Caracolinho adora:

 

- Dizer olá;

- Falar ao telemóvel;

- Ouvir música;

- Correr;

- Brincar com os cães;

- Lavar os dentes (ou deverei dizer comer a pasta?);

- Trepar coisas que não lembram ao diabo;

- Subir e descer degraus com ajuda;

- Sentar-se sozinho;

- Jogar à bola;

- Andar de triciclo (ou deverei dizer ser empurrado no triciclo?)

- Desarrumar os brinquedos acabadinhos de organizar (não por ele, lógico);

- Bolachas, de aveia preferencialmente;

- Explorar com eximia atenção e pormenor objetos que não lembrariam ninguém (o último foi a piaçaba);

- Ralhar, com ninguém em especial, só mesmo porque sim, porque lhe apetece;

- Dançar e bater palminhas ao som do último hit do Panda.

 

Também já capaz de identificar pessoas com o olhar (onde está a mamã?), de dizer que não, de reconhecer um pedido (dá-me os Tupperwares, dá-me um bocadinho da tua bolacha) embora nem sempre o conceda, reconhece palavras várias,  aumentou exponencialmente o volume e drama das birras (a Prima Vera acha o máximo e garante que o rapaz tem pinta nas birras) e descobriu que girar sobre si próprio durante a teimosia é muito mais original do que o bater de pés e mãos, já mais visto. Aliás, se há área onde o puto tem mestria é nas birras, tenho que lhe tirar o chapéu. A coisa começa com uns guinchinhos, um "ai que me passo já aqui" em crescendo, um choro sem lágrimas, um sentimento muito profundo, umas voltinhas sobre ele próprio, por vezes a bater o pé ao mesmo tempo, e um amarrar de chibinho do mais profissional que já vi. E não pensem que o enganam: não lhe dão o que ele quer e fica ali no chão, sentado, amuado, sentido, barafustando sozinho até encontrar outra coisa para fazer. 

Há dias em me tira do sério, que me apetece coloca-lo a dormir mal entro em casa, mas depois... Depois sorri, mostrando os seus dentinhos pequeninos, faz aquele ar de mafarrico e safadola, dá abraços e beijinhos babosos e eu não tenho outra escolha a não ser esquecer tudo o resto.

 

É verdade, eu confesso #11

Sou uma condutora às direitas, como provavelmente já perceberam. Conduzo com prudência, tenho sempre o pé pronto no travão, reduzo com o motor e assinalo sempre a mudança de direção. Mesmo quando faço uma curva. É ver-me ali a ligar o pisca, indicando a direção da curva. Sou ou não sou uma condutora amiga?

Ver a acontecer

Ter uma ideia.

Juntar meia dúzia de pessoas que talvez alinhem na loucura.

Sermos meia dúzia.

E depois uma dúzia.

Dúzia e meia.

E, de repente, estarmos quase nas duas dúzias.

Ver acontecer aquilo que idealizamos, ouvir a ideia de um, escutar o pensamento do outro, em conversas cruzadas - e às vezes perdidas - sentindo que de facto as pessoas continuam a importar e que é isso que nos mobiliza a todos... É espetacular.

Deixais-me sem vocábulo.

Obrigada a todos!

foto do autor

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D