Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Caracol

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Let the games begin*

Cá estão as participações que poderão chegar a título de rubrica, infelizmente não dei quinéu a fazer a coisa bonitinha e ficar com o formulário visível no post - agradeço dicas - mas fica em link. É só abrir, votar e podem voltar à vossa vidinha. Lembro que este formulário estará em destaque no facebook deste tasco (o quê? ainda não seguem? Vão já resolver isso!). 

 

Para votar, por favor, clicar aqui. 

 

*Sempre quis dizer isto. :D 

Atletas Anónimos - A Magda

A Magda veio até este tasquinho dar duas de letra sobre desporto e exercício físico. Trouxe, como sempre, a boa disposição e o sentido de humor. Ora atentai no que ela tem para nos dizer: 

 

Há quanto tempo frequentas o ginásio e porque começaste?

Comecei a ir ao ginásio em Dezembro do ano passado. Não porque goste ou porque me apeteça especialmente mas porque tive uma rotura muscular no psoas e, esgotadas as possibilidades da fisioterapia me fazer melhorar mais, o fisiatra recomendou-me fortalecimento muscular para ajudar.

Que melhorias significativas trouxe ao teu dia a dia?

Já consigo atravessar uma avenida a falar ao telefone (sem estar a arfar no fim), já me canso menos quando ando dum lado para o outro. Ainda há um longo caminho a percorrer (e a rotura ainda me vai dando sinais de que não está tudo a 100%) mas lá chegaremos.

Podemos falar de números? Quanto pesavas antes de iniciares e agora?

Como te disse, não fui ao ginásio para perder peso para isso comecei a ser seguida pela Dra Simone, a melhor nutricionista deste mundo e arredores que entendeu, na perfeição, as minhas manias, o facto de ter alguns constrangimentos por causa da doença de Chron e outros causados pelos meus horários. Comecei as consultas em Setembro (pouco tempo depois da famigerada rotura) com pouco mais de 129 quilos. Na última consulta tinha 124 quilos.

Além do exercício, também mudaste a alimentação. É algo que fazes com sacrifício ou já te habituaste?

A mudança na alimentação foi muito fácil. Precisamente porque a minha nutricionista (já te disse que acho que ela é a melhor do mundo?) me entendeu e percebeu – tal como eu – que mudanças excessivamente radicais, demasiado restritiva e exigente estaria condenada ao insucesso. Ambas optamos por um sistema que me permite perder peso devagarinho, sem stress, sem excessos, mas, acima de tudo, de forma consistente e coerente. Um ou dois quilos por mês é o suficiente porque os que perder agora não os quero recuperar.

Sempre gostaste de desporto ou só consideravas a leitura (como eu) como peso?

Ora bem, como resposta a esta pergunta, conto-te a resposta da minha tia quando soube que eu tinha começado a ir ao ginásio: só podes estar a gozar comigo Magda. Não acredito nisso. Só se for lá ver ou se me mandares alguma foto. E mesmo assim pode ser montagem.

Caracol, aos quatro anos (e há provas!) os miúdos corriam no ginásio e eu andava devagarinho atrás deles. Qual é a criança que o faz com esta idade? Eu! A maior preguiçosa que possas imaginar.

O meu desporto favorito sempre foi, e ainda é, a leitura.

Tens algum objetivo estipulado para este ano?

Correr a maratona de Boston!.

Mentira… Não tenho qualquer objectivo. Quero perder peso calmamente, continuar o fortalecimento muscular com calma e ir aumentando, muito gradualmente, o esforço feito no ginásio. E, acima de tudo, tentar ao máximo não arranjar desculpas para deixar de ir ao ginásio.

Imagina que do outro lado tens alguém imensamente sedentário que nos lê enquanto absorve um pacote de bolachas com petitas de chocolate. Como tentarias convencer a ir contigo ao ginásio?

Deixe lá as pepitas de chocolate, essas bolachas não prestam! Coma bolachas sem chocolate que são bem melhores. Ah, era para ir ao ginásio?... hum, vamos lá pensar. Se eu comecei a ir, toda a gente consegue ir. Não precisa de ir todos os dias, não precisa de lá passar horas a fio. Devagarinho e com calma tudo se faz. E pode continuar a comer uma ou outra bolachinha. Só não convém comer enquanto anda na passadeira. Ou na elíptica.

 

Obrigada Magda e boas corridas! :P

Adeus aspirante a fit

Escrevi ontem o último texto de uma rubrica que muito gozo me deu fazer. Foram 16 episódios, mais ou menos humorísticos, sobre a minha ligação ao desporto. "Diário de uma preguiçosa aspirante a fit", chegou ao fim. 

Calmaaaaaaaaa, não saquem já dos klenex, segurem as lágrimas e não dramatizem (onde é que eu já ouvi isto?). São só palavras, balelas, cromices contadas na primeira pessoa. 

Não faz sentido continuar com uma rubrica que onde me apelido de preguiçosa, quando me levanto ao domingo de manhã para correr 10km. Não faz sentido continuar a ser aspirante a fit, quando vou certinha ao ginásio, quando me esforço (vá, pronto, um bocadinho), quando fico danada porque não lá consigo pôr os pés. Eu morro 359x, chamo o cangalheiro mais vezes que o INEM, mas vou. E faço. Mesmo que chegue ao fim sem fôlego. 

"Diário de uma preguiçosa aspirante a fit", deixou de fazer sentido. 

Mas...! 

Tenciono continuar a contar a relatar as peripécias do ginásio - até porque me divertem imenso. E é aqui que vocês entram: não tenho, neste momento, um título adequado à subida de grau de fiteza. Portanto, a vossa colaboração será de extrema importância. É pôr a imaginação a funcionar e sugerir! Em forma de comentário, por mail, em comentário ao Facebook... Como quiserem. As participações serão colocadas em forma de post, no Facebook deste tasco e ficarão sujeitas a votos durante 5 dias. Simples, não é? E só para verem como sou uma mãos largas e uma pessoa bué espetacular, ofereço ao vencedor (além da extrema honra de dar o nome a uma rubrica num blogue altamente parvo).... Rufar de tambores.... Mais um bocadinho.... Tchran! O equivalente, em calorias, a uma aula de jump e de Power. Isso mesmo, chocolates (mas dos bons, hã?), equivalentes ao desgaste destas duas aulas juntas. São cerca de 1500kcal, pontinhas a emborcar. Não é espetacular? Eu sou assim, uma mãos largas. Ah, e tal e o que vais oferecer? Coisa boa minha gente, nada de chocolate de leite que isso faz um mal desgraçado. Só negros e misturas (com frutos secos, para ser mais saudável).

p>Tudo percebido? Então, vá ide lá colocar as ideias em ordem. Ah, e têm até 6a feira para participar, na próxima segunda será colocado a votos e na segunda seguinte será anunciado e contactado o vencedor.

Há lá melhor maneira de celebrar a ascensão na fiteza? :D

Diário de uma preguiçosa aspirante a fit #16

Foi hoje.

Corri esta manhã o que dizia, há três meses, ser impossível. Que não era para mim, que não era capaz, que ia atrapalhar, que já os restantes estariam na meta e eu às voltinhas, arrastando-me para lá chegar, isto se conseguisse efetivamente chegar ao fim.

Já estava mentalizada que era capaz (falei sobre isso aqui), mas nunca, nem por sombras, julguei terminar num tempo tão curto. Corro há tão pouco tempo, demorei uma vida e meia a ultrapassar a barreira mental, levei 1:07 a percorrer 9 km... Tinha mentalmente estipulado 1:15 para terminar e ficaria felicíssima se conseguisse fazer esse tempo. Fiz menos. Muito menos. 1:03 foi o tempo que demorei a percorrer os 10 km. Caraças, vou ser a maior da rua durante a semana toda! (Sim, estou um bocado orgulhosa, mas é só um cadito, quase não se nota. :P) Para além disto, levamos para casa o terceiro lugar em equipa feminina e açambarcamos o pódio todo em Juniores femininos. Uma manhã do caraças!

Não posso, nem quero, deixar de agradecer a quem me meteu nisto. Não sei bem quem me inscreveu (sim, já estava inscrita quando me inscrevi efetivamente), mas aposto as fichas todas numa menina cujo nome começa com C, termina em A e tem as letras L, A,U,D e I lá pelo meio. Uma grande beijoca e muito, muito obrigada por teres feito aquilo que eu não faria.

Obrigada à família, com quem pude contar para depositar o puto enquanto ia correr, ao marido que preparou um almoço divinal (e que cumpria os requisitos dos 30 dias sem porcarias), aos amigos que mandaram mensagens de apoio, à Cunhada por me estar sempre a azucrinar a cabeça e pelas mensagens altamente motivadoras.

Por último, mas não em último, um grande obrigada a toda a família fit que acolheu esta preguiçosa. Que todos os dias motiva, acompanha, desafia e supera. Dos monitores, aos compinchas, passando pela incrível claque - foi muito, muito, bom aquele apoio final, quando já só pensava em sopas e descanso e a meta ainda me parecia tãoooooo longe, apesar de já estar mesmo ali, a uns míseros passos.

Passar a meta é uma sensação absolutamente fantástica. Começamos com ela em mente, paira no espírito a cada subida, dá ânimo a cada metro que dela nos aproximamos. Aquela sensação de chegar ao fim por si só, não olhar para o relógio, esquecer a dor nas pernas, a fadiga e ficar só ali a desfrutar dos curtos segundos em que dura aquela alegria em estado puro... Se não é das melhores coisinhas desta vida, anda muito lá perto. Sentir que pertencemos a um lugar, a uma equipa - mesmo sendo por nós e para nós que corremos - saber que temos alguém à espera, alguém que passa por nós e diz "vamos lá", saber que há quem corra connosco, mesmo que não vá ao nosso lado. Isso dá energia extra. É o impulso para mais uns metros, para o bocadinho que falta. "Não vais sozinha", garantiram-me a meio da minha indecisão inicial, no começo dos começos. E não fui. Nenhum de nós foi. Porque quando pertencemos efetivamente a um lugar, nunca estamos sozinhos. O melhor de tudo é o que os olhos não vêem, farto-me de dizer isto. A união é uma dessas coisas. Isso foi notório hoje, mais uma vez. Além da minha vaidade pessoal, tenho um imenso orgulho de todos aqueles com quem partilhei a camisola -  mesmo quem não pôde partilhar o alcatrão, hoje.

Agora, venha a próxima, que as minhas sapatilhas ainda têm muito sola nova!

 

 

 

 

Diz que é este domingo

Como, COMO, é que passou tão depressa?

Como é que ainda há pouco tempo argumentava que isto era não para mim? Como é que ainda me inscrevi, em dezembro e já estamos em março? 

E como, alguém que me responda a isto, COMO é que em três meses não arranjei uma desculpa decente para fugir? 

Como é que eu me meti nisto? Para quê que eu me meti nisto? Mas será possível que aos 28 anos não tenha ponta de juízo? 

E antes que perguntem, eu não estou nervosa. Estou uma pilha. Estou assim bué zen e inspira, expira e não pira. 

São só 10 quilómetros, o que é isso? Nada, pois claro. Tenho a certeza que os vou correr na maior, com uma perna às costas e sem precisar de oxigénio no final. Vai ser assim mesmo tudo em bom e nas subidas é fingir que se desce e olhar em frente que para lá é que caminho. 

Nem sequer posso afogar o pânico  entusiasmo num snikers. Ou num bounty. Ou num twix. Nada, nadinha, zero açúcar para apaziguar a miaúfa excitação. Mas tenho ali um iogurtinho que é um mimo com uns flocos de aveia e sementes de linhaça! Assim para lá de bom. 

Vêem como não estou nada medrosa? Eu disse, não sei porque não se acreditaram em mim. 

Alguém arranja aí um xanax?

Dia 9

Ontem, dia da mulher, tiveram a amabilidade de deixar o lanche ao mulherio cá da loja. Poderiam ter trazido uns tomatinhos, umas alfaces ou, loucura, uns babybell. Mas não! Uma caixa de húngaros e uma de bombons. 

Digam-me, com toda a franqueza, eu mereço, não mereço?

E não, nem sequer lhes toquei. E também fingi não ver os quadrados de chocolate à disposição na recepção do ginásio.

Enxuguei toda a baba nos frutos secos e agarrei-me ao iogurte como se a minha vida dependesse disso.