Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Caracol

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Pai Natal e os 8 Pássaros - Parte II

No topo da árvore, envolto em panos, com uma faca nos dentes e um ar chorão de quem está prestes a fazer um milagre que vai acabar mal, estava Ele. -

Outra vez o puto! - diz o Pai Natal entre dentes.

- Ei! Eu ouvi isso. Eu oiço tudo.

- Sai daí menino Jesus! - grita-lhe Idalete - Vou dizer à tua mãe o que tu andas a aprontar. Olha que ainda esta semana tomei chá com ela!

- Podes dizer o que quiseres - desafia-a o menino - mas este ano não vão ficar com os louros todos.

E nisto, para espanto de todos, menino Jesus lança-se do topo da árvore em direcção ao Pai Natal que, estarrecido, vê a sua vida passar num flash à sua frente...

 Agarrado às barbas do Pai Natal, o Menino Jesus puxava por onde conseguia para tentar arrancar aquelas barbas ásperas e irritantes.

  - Pára com isso, Jesus. - Gritava Idalete agarrando uma perna do pequeno. Cidalino, em auxílio do Pai Natal, que apesar de lhe comer as morcelas e o queijo gostava bastante dele, agarrou no que restava de uma chouriça e acertou em cheio na testa do pequeno diabrete.

   No meio da confusão Rudolfo desapareceu misteriosamente, ninguém deu pela coisa, enquanto todos estavam concentrados em agarrar o menino Jesus que apenas queria vingar a fama do Pai Natal ninguém topou a cena. Afinal, depois do famoso anúncio da Coca-Cola, nunca mais o Natal foi o mesmo, todos se esqueciam de que era o aniversário do pequeno e só o Pai Natal assumia o protagonismo.

Nisto, Idalete Natal pega no telemóvel e liga aos Reis Magos. O seguinte diálogo sucede:

 - Tou? Belchior? É a Idalete. Onde é que vocês estão?

Olá Idalete. Olha, neste momento estamos no Oásis à saída da A-Pérsia. Os camelos precisavam de abastecer. Mas conta coisas, que se está a passar?

Epá, o puto Jesus tá aqui desencabrestado, a dizer que quer voltar a ser o protagonista do Natal. O que é que eu faço?

Olha boa, não sei. Já tentaram dar-lhe uma palmada no rabo?

Ó Belchior, mas tu achas que a gente vai dar uma palmada no puto? O Cidalino ainda lhe atirou com uma chouriça à cabeça, mas ele ainda ficou pior. Achas que lhe dê um Valdispert para ver se ele acalma?

Não, Idalete. Não me drogues a criança que eu ainda preciso de o apresentar ao povo e se ele está com olhos de charroco ninguém o leva a sério. Passa-lhe aí o telefone que eu falo com ele, se faz favor...

Idalete lá passou o telemóvel ao puto e Belchior, com a sua calma inglesa, enquanto bebia uma chávena de chá de maça e canela e comia um brioche

que além de duro, ainda tinha custado os olhos cara, que isto das áreas de serviço só servem mesmo para nos enganar

pensava com os seus botões - mas que mania esta agora de não se dar palmadas aos putos... não hão-de eles fazer tudo o que querem, credo. Educação, senhores, educação!).

Mas pronto, quando Jesus atendeu lá tentou chamá-lo à razão:

- ouve lá, rapaz, mas não tomaste a Ritalina hoje? não sabes que tens mesmo de controlar essa hiperactividade? anda lá, já tens dois mil anos de idade, podias ter um bocadinho menos de ciumes? Então andamos aqui todos a tratar-te nas palminhas, e vai-se a ver e fazes estas cenas? que exemplo estás tu a dar?

Jesus começou a amuar e a fazer beicinho, não gostava nada quando se chateavam com ele. Até porque, agora que pensava nisso, se calhar não tinha tomado a medicação. Além de... pronto, prendas são prendas e ele queria mesmo a prenda que Belchior lhe tinha prometido.

Pai Natal e os 8 Pássaros - Parte I

 

 

Num dia de frio, num daqueles típicos dias de Inverno em que a vontade em ficar na cama é superior à de levantar e a força gravítica parece exercer uma força acrescida, o Pai Natal deu por si a pensar que a época mais stressante do ano estava prestes a chegar. Só de pensar o homem de  barbas brancas já dava por si a sentir a azia no estômago, que nada tinha a haver com a salsicha picante da noite anterior."

Até podia não ser da salsicha... mas se calhar tinha abusado um bocado nas migas com entrecosto que a mãe Natal tinha feito. Não havia ele de estar assim cheiinho, a mãe Natal era uma cozinheira de mão cheia (e, na realidade, também era uma excelente dona de casa. Talvez com um pouco de hiperactividade não diagnosticada. Quem é que se lembra de arrumar a casa toda às 6h da manhã, quando os duendes e ele próprio estavam a querer dormir????).

Ai senhores, pensou ele, talvez tenha de tomar as gotas antes de ir ter com o Rudolfo. Mas caramba, será que o Rudolfo não se podia acalmar um bocadinho? ainda faltavam 22 dias para o grande dia e já andava a programar a viagem, a tentar programar a rota no Waze para ter a certeza que não havia atrasos. demasiado cedo, não?

Após consultar todas as apps possíveis e imaginárias, o Pai Natal chama a Mãe Natal e diz "Ó Idalete! Idaleeeeeete!!! Ajuda-me aqui que não tou a conseguir planear a viagem como deve de ser. Este ano os ventos vão andar marados por isso não posso começar pela Suécia, tenho que ir pela Sibéria e não tou a ver como é que eu vou passar pela China sem lixar a viagem toda!

Como é óbvio a Mãe Natal sofre de certeza de transtorno obsessivo compulsivo (sim, limpar a casa as 6 horas da manhã não é para todos) começou a fazer logo uma lista para aclamar ansiedade ao saber que o seu esposo o único afazer é ler cartas e uma vez por ano percorre tudo mundo para entregar os presentes de Natal nem isso estava conseguir executar parece os CTT aqui em Portugal.

Ao conseguir fazer a lista foi falar com os assistente pessoal do Pai Natal para lhe resolver problema com máxima urgência...

Idalete encontrou o assistente do Pai Natal a ler. Está sempre a ler o Cidalino.

- "Olha, tens aqui a "To Do" list para a viagem, há coisas para ires comprar, e têm mesmo que cumprir o itinerário, ou não passam de Paris. E este ano tens mesmo que ir que o Nicolau está estranho e não o quero por aí sozinho".

- "Ai não vou não Idalete. Já sei que nas marmitas só vão torresmos e sandes de mortadela e sabes como é difícil encontrar comida vegetariana. Até o leite e as bolachas que os putos deixam nunca são vegan".

Idalete Natal começou a desesperar.

- "Este gajo está a ficar um bocadinho extremista". Pensou

Entrou em casa e gritou para o fundo do corredor: "Rudolfo! Vamos passear".

 

E foi assim que a Mãe Natal e o Rudolfo tramaram o Cidalino. Saíram de mansinho, deixaram uma chouriça, uma morcela de cebola e um queijinho da serra bem cheiroso em cima da mesa e dizendo que demorariam 2 horas até ao regresso, voltaram em menos de 10 minutos apanhando o Cidalino a devorar os enchidos e o belo do queijinho. Foi impossível de negar, ele que estava a planear culpar o cão da família... Cidalino estava mesmo com a boca no trombone  que é como quem diz, nas chouriças. 

 - Oh. Meu. Deus. - exclama Idalete exaurida.

- Chamaste fofinha? Que se passa? - questiona o Pai Natal enquanto devora uma lasca de morcela que Cidalino não tivera tempo de engolir. 

- Patroa, eu posso explicar, a sério. Não é nada disso que está a pensar. 

- Eu nem quero acreditar! Valha-me a Santa... 

Cidalino, baixinho e virado apenas para o Pai Natal:

-Será que esla está bem? Parece-me um bocado branca... Ainda vai ter um piripaque à conta das morcelas...

- Ó Idalete. Deixa-te de tretas. Já todos sabíamos que o Cidalino surripiava os queijos do frigorífico e meia volta lambuzava-se com as sobras de tripa farinheira. Esquece lá isse, melher, pronto, deixa lá. 

- O quê?! Não é nada disso. É.... Aquilo. - sussurra, branca como a barba do marido, erguendo um indicador trémulo para a árvore de natal. 

Idalete Natal olhou em pânico para o marido.

Pai Natal e os oito Pássaros (7/25)

21261071_6Pjfc.png

Malta com demasiado tempo livre tem ideias brilhantes e motivados por esta onda natalícia os pássaros estão a criar (mais) uma história em conjunto. Assim, todos os dias, até dia 25, iremos publicar, à vez, uma breve continuação da história iniciada pela Just_Smile, que será depois continuada pelo pássaro seguinte. No dia 25, traremos a história completa, entre um prato de roupa velha, duas fatias de pão de ló e um copito de vinho para empurrar tudo. Ou isso, ou vimos a rebolar, mas isse agora...

Antes: 

1ª Parte

2ª Parte

3ª Parte

4ª Parte

5ª Parte

6ª Parte

(é muita parte... Quem é que se lembrou disto?! )

- Oh. Meu. Deus. - exclama Idalete exaurida.

- Chamaste fofinha? Que se passa? - questiona o Pai Natal enquanto devora uma lasca de morcela que Cidalino não tivera tempo de engolir. 

- Patroa, eu posso explicar, a sério. Não é nada disso que está a pensar. 

- Eu nem quero acreditar! Valha-me a Santa... 

Cidalino, baixinho e virado apenas para o Pai Natal:

-Será que esla está bem? Parece-me um bocado branca... Ainda vai ter um piripaque à conta das morcelas...

- Ó Idalete. Deixa-te de tretas. Já todos sabíamos que o Cidalino surripiava os queijos do frigorífico e meia volta lambuzava-se com as sobras de tripa farinheira. Esquece lá isse, melher, pronto, deixa lá. 

- O quê?! Não é nada disso. É.... Aquilo. - sussurra, branca como a barba do marido, erguendo um indicador trémulo para a árvore de natal. 

 

Passo o bolo à Fatia. 

 

Segunda escolha

Amo-o. Imensamente e mais que tudo. Não me importo de ser a segunda escolha, porque na realidade sei que o seu pensamento vai primeiro para mim e só depois para quem oficialmente o tem. Nunca me vai perguntar o que é o jantar, nunca iremos programar férias juntos e nunca poderemos sequer ter uma família digna de ser chamada assim. A família dele odeia-me com todas as forças, mesmo não me conhecendo o rosto, e isso no fundo deixa-me feliz: é sinal que ele existe e que fica comigo algum tempo. O tempo em deixo de ser a segunda escolha e sou a primeira e única escolha. São os melhores minutos do meu dia, os que fazem todos os outros valer a pena, os que transformam horas de solidão em segundos de felicidade.

Sou a segunda opção de alguém e isso não me entristece. Não me custam as horas intermináveis sem ele, as conversas inexistentes sobre trivialidades ou a inveja de quem partilha a cama à noite, porque eu sei que ele volta sempre para mim, para a sua segunda escolha. Ou deverei dizer primeira?

 

Escrito no âmbito de um desafio, num grupo de escrita criativa sob o tema "Traição".